terça-feira, 25 de novembro de 2008

Cavaco insiste no 12.º como escolaridade mínima

O Presidente da República, Cavaco Silva, voltou a insistir esta terça-feira na meta do 12.º ano como escolaridade mínima, durante um discurso em que realçou a importância da família e a colaboração entre a sociedade civil e os poderes públicos como forma de combate à exclusão.


in: Correio da Manhã

Há muito que se fala nesta ideia, mas o abandono escolar, não precisa de grandes estudiosos para perceber o que se passa, apenas precisa de que as medidas sejam tomadas.
Antes sequer de se pensar em alargar o numero de anos obrigatórios para estudos, seria fundamental resolver os problemas escolares actuais.

Avaliação dos professores, é o prato do dia, todos os dias a mesma coisa, há que tentar perceber que sim é preciso avaliar os professores, mas encontrar um modelo correcto e concordante com a maioria. Seguidamente é preciso acabar com as burocracias, o papel chave do professor é leccionar matérias, não é fazer encomendas, nem preparar reuniões. Dêem esse papel a quem é director de turma, que deixe de ser professor e passe apenas a tratar das burocracias!

As matérias leccionadas são desadequadas às necessidades, dado o estado actual do país e sem perspectivas futuras, seria importante que houvessem mais cursos profissionais, pois nem toda a gente reúne as mesmas capacidades para superar o secundário padronizado.
Criar um sistema de Bolonha para o secundário, afinal de contas se resulta para o superior, porque não resulta no secundário? Há cadeiras que nunca nos irão servir rigorosamente nada para a vida e para cultura geral, basta ver o discovery, a odisseia ou vir à internet. Eu sei que as velhas alminhas do restelo odeiam este tipo de afirmações, mas é a verdade. Os alunos são massacrados com quantidades inuteis de matéria e tantos conhecimentos para no futuro acabarem na mercearia se tiverem sorte, depois vão aplicar as equações ou os lusiadas onde?
Mesmo que acabem no superior e não estejam em cursos relacionados com educação ou matemáticas, nunca irão precisar desses conhecimentos rigorosamente para nada. (espero já um comentário de alguém que está ou fez um curso qualquer e fale do quanto precisou de saber X ou Y, pá foste tu, não foi a maioria! Mesmo que seja preciso, há livros há venda!!!)

Seguidamente é preciso perceber como se sente o aluno na escola, se não é alvo de bullying ou um bullie, se assim acontece é preciso ajudar quem precisa e retirar os bullies, sem medo nenhum, saber limpar o tojo do trigo.

Reportar à assistencia social todos os casos, retirar filhos a familias problemáticas, criar um ensino militar para ajudar a impingir valores sociais evitando que os jovens caiam nas teias do crime.
Sancionar pais negligentes e dar a todos os alunos o apoio necessário e NUNCA o facilistismo, de forma a não ter que o voltar aturar no próximo ano.

É preciso mexer dentro e fora do ensino, dar um abanão nas familias e nas escolas, e depois sim, vamos pensar no ensino obrigatório até ao 12º. Não sem antes dar estabilidade às familias, com melhores prespectivas de futuro, acabado com as cunhas, corrupção e essas coisas que tanto acompanharam Portugal no seu processo de desenvolvimento.

sábado, 22 de novembro de 2008

Prostituição vai ser crime na Noruega

A prostituição sempre foi legal neste país assim como nos restantes vizinho da Escandinávia, mas recentemente todos apertaram o cerco a esta efeméride. A idade aceite para inicio da actividade era normalmente os 16 ou 18 anos, mas o proxenetismo foi sempre proibido.
Os recentes estudos provam que a manutenção do regime aberto de prostituição, aumenta seriamente o trafico de seres humanos, principalmente mulheres e adolescentes, para fins sexuais. Dois terços dos seres humanos traficados em todo mundo têm esse fim.
Numa conferencia em Berna, sobre este assunto onde estiveram reunidos vários países europeus, da Escandinávia, França, Bélgica, Holanda entre outros.
A Holanda conhecida pelas suas leis bastante permissivas chegou à conclusão que nos locais que permite a prostituição existe um aumento do crime, bem como não conseguiu diminuir o trafico humano, pelo contrário ele aumentou. Nos últimos anos para contornar esta situação vários bordeis foram fechados e tencionam continuar a fazer-lo, ponderando a hipótese futura de voltar a ilegalizar esta prática.
O modelo americano foi salientado várias vezes, como forma a por cobro à prostituição, devido à sua taxa de sucesso. Eu considero que não é modelo a seguir, uma vez que pelos vários programas policiais que vi acerca deste caso, chegam armar ciladas para as prostitutas se oferecerem, uma vez que o façam são detidas, saem da prisão e voltam a cair no mesmo... Claro que se tratam de prostitutas de rua, dependentes maioritariamente de crack, mas a politica correcta seria tira-las da rua e oferecer-lhes o devido tratamento, em vez de as prender e fomentar novos vícios aprendidos na prisão.
Voltando ao caso da Noruega, esta vai seguir o modelo Sueco e a partir de 1 de Janeiro de 2009, qualquer tipo de prostituição será ilegal. A chegada de nigerianas com visto turístico para a prática de prostituição tornou-se corrente, várias mulheres eram e continuam a ser usadas e abusadas nestas práticas e alvo de violência por parte das máfias que facilmente se conseguem camuflar por entre as leis permissivas.

A serie belga "Matrioshki" retrata bem como funciona o mundo da prostituição e a forma como esta é organizada, com máfias a irem buscar mulheres de leste e à Tailândia, onde lhes prometem sobre um contrato escrito numa língua que elas não percebem (normalmente em grego) que irão trabalhar em clubes de dança, acabando todas a serem forçadas na Holanda e Bélgica, ao sexo, para poderem ter dinheiro suficiente para recuperarem os seus passaportes.


quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Manchurian Microship

Recentemente Robert Eringer, ex-investigador do FBI, decidiu revelar numa revista, algo que já vêm de há muito a provocar algum alarido na comunidade de contra-espionagem americana - A China têm instalado em todos os computadores que monta micro-chips que podem ser activados em qualquer altura e fazer o download de toda a informação existente no computador. São uma espécie de cavalo de troia mas embutido a nivel do hardware, em vez dos tipicos cavalos de troia feitos em software e que exploram falhas de segurança.
Em 2007 um computador do ministério da defesa foi "hackeado" e a proviniencia desse ataque era precisamente a China.
Actualmente computadores das marcas Dell, Toshiba, Sony, Apple e IBM são montados na China e enviados para todo o mundo.

Ler mais em: http://www.dailyartisan.com/news/and-now-the-manchurian-microchip/

Enfermeiros: Jovens licenciados protestam

Foi noticia dia 18 de Novembro de 2008, mas não deixa de ser actual. Protestos deste grupo de saúde têm vindo a ser reconhecidos este ano pelos media, mas é uma pena que não tenham em conta que os protestos já vêm de há muito, não começaram só este ano. Mas os media agarram tudo o que possa influenciar o poder politico anti-governo.

Li as noticias e já tinha conhecimento sobre este facto, não me surpreendeu em nada, alias espero mais protestos futuramente. Ri-me com alguns comentários bastante hilariantes em alguns jornais online ou então fiquei até bastante surpreendido com algumas afirmações mais ingénuas.

Antes de mais é tempo de acabar com o mito: Saúde têm sempre saídas... - É FALSO, tal como qualquer outra área profissional têm limites para empregabilidade! A saúde é uma área de prestação de serviços que implica sérios gastos tanto a nível humano como de material, mas há que ter em conta que é das áreas onde mais é investido dinheiro a nível dos países europeus e menos proveito se tira, igualando a educação! É verdade, para as caras almas que não saibam, Portugal é dos países europeus que mais investe nestas duas áreas. Sem falar que um dos países com maior numero de especialidades médicas cobertas pelo Estado, ao contrário do que se passa aqui com a vizinha Espanha.

Mas afinal só há desemprego em Enfermagem? Não, dentro da saúde também há outros ramos, sendo o dos Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica profundamente mais afectado, onde trabalham até pessoas sem curso ou de cursos diferentes, é simplesmente achincalhado pelo Estado e a vasta maioria das pessoas nem sequer conhece este grupo ou confundem-nos com outras profissões. Voltando ao tema afinal quais as razões para o desemprego?

Antes de mais tenho lido muitas acusações anti-privado, mas eu gostaria de lembrar que é com concorrência que se melhora e dá mais saída no mercado de trabalhadores, já para não falar que é uma forma de esmagar lobbies. Vejam o caso da medicina, nunca têm médicos suficientes, mas também não deixam abrir no privado.

Contudo é verdade que abriram muitos cursos, não só no privado mas também no publico com enfermagem, temos demasiadas escolas a formar enfermeiros, até podem alegar que temos carência deles ou que a ONU alega que existe carência dos mesmos no mundo blablabla, existe certamente empregabilidade em Africa e no sudeste asiático, estão dispostos a ir, por salários ainda inferiores ou em regime de voluntáriado? I don't think so...

Nenhum país no mundo têm enfermeiros ou pessoal clínico em numero suficiente, convençam-se disso! Portanto quando não é possivel pagar a mais ninguém é por alguém está a mais, pois o dinheiro não estica! Logo é possivel que possam concluir que há demasiados formados com o mesmo curso. O mesmo ocorre na educação ou em direito, começem por aceitar isso ou façam como em tempos vi numa manifestação dos professores a pedirem aos portugueses para terem mais filhos.... LOL

Os enfermeiros se quiserem ter um mercado mais fluido vão ter que acabar com essa mania de pensar que o Estado têm a obrigação de dar emprego a toda a gente, só porque saem da faculdade com um curso. Vão ter que lutar para que congelem as vagas ou encerrem cursos, pois todos os anos sendo privado ou não, é preciso o aval do Estado para mais tarde se dar a publicação das vagas disponiveis por instituição! Só desta maneira é que terão direito à vossa lufada de ar fresco no mercado dentro de alguns anos.

Há ainda o caso das cunhas, o célebre problema cultural que se arrasta desde a fundação do País. É crime! Combatam isso, denunciem, quem não denuncia é porque não segue qualquer código deontologico e é mau profissional. "ah mas a vida está dificil, portanto é cada um por si" então para que tiram curso se é cada um por si?

Enfermeiros com 2 e 3 empregos a ocupar postos de trabalho e arrecadar fortunas, ordenados que pagariam a mais pessoal, mas isto vocês nunca protestam, estão no direito deles não é? E depois querem emprego...

Para quem ousar vir lançar o seu bitaite, eu reconheço o enfermeiro como um profissional qualificado (quando têm curso superior devidamente reconhecido pelo Estado e se encontra registado na Ordem), necessário para a manutenção dos niveis de saúde, apoio e cuidado dos mais necessitados e dos portugueses em geral. É uma profissão com razão óbvia de existir que passa por vários sacrificios pessoais, mas que infelizmente ainda não decidiram abrir o olhos.

Ir trabalhar para o estrangeiro, não é mau, é simplesmente normal e alias deveria ser tido como ÓPTIMO! Lá fora há especializações que por cá não há, não me venham com a velha máxima "os enfermeiros portugueses são dos melhores do mundo!" são pessoas como as outras, há bons e maus, e o conhecimento NUNCA é demais.
Agora que me digam: "ah mas se for lá para fora depois perco anos e não posso casar ou constituir familia quando me apetecer". Talvez sim ou talvez não, lá fora as outras pessoas também têm familias e descedentes, no entanto para quem acaba de se formar e não têm experiencia profissional, estar a pensar nisto, é talvez um erro grave e que vai acabar em frustração mais tarde ou mais cedo. Levando a possiveis ingenuidades como a do querer emprego à força toda e que a culpa é do Estado. É parcialmente do Estado e é também vossa nos vários motivos atrás apresentados.

É tempo de usarem mais a cabeça para reflectirem, não é fácil aceitar, especialmente para quem já tenham feito projectos de vida, mas a vida é mesmo isto, uma revolução de novas barreiras sobre as quais é preciso reflectir e readaptar esses projectos.

Brasil 6 - 2 Portugal

Eu nunca fui um fanático do futebol, mas sou pessoa de acompanhar os jogos da selecção, vi ontem o que esperava ver, uma derrota. O futebol até não foi mau até começar a descambar com algumas picardias entre a vedeta-mor e um defesa brasileiro que lhe apertava a marcação.
Fui desde inicio contra a escolha do seleccionador, já contava com a mesma, até já a tinha comentado, muito antes do Queiroz ser anunciado, era previsível que a escolha recaísse sobre ele. As velhas almas do Restelo têm uma enorme tendência a ir buscar sempre as velhas glórias do passado, mesmo que não tenham conquistado nada no mundo do futebol profissional, (perdão, ganhou o europeu de sub-21, no tempo da outra senhora que os seus defensores tanto aplaudem) interessa é a nostalgia associada e a amizade entre os senhores que fazem as escolhas e os escolhidos.

Queiroz como treinador nunca conquistou nada, "ah ele estava no Manchester...", mas era um pau mandado duma equipa com grandes talentos disponíveis e disciplinada pelo Ferguson. Ao contrário do que se passa na selecção, este senhor não têm medo de deixar a vedeta-mor no banco para lhe ensinar bons valores como o jogo em equipa ou dar oportunidades a outros.
O grande mal da nossa selecção foi sempre o mesmo, falta de disciplina e demasiadas estrelas, no entanto o Scolari soube arrumar com alguns protagonistas de controvérsia balnear, assunto esse que tendeu sempre a ser escondido dos media e claro passaram por victimas.
Por muito mal que falem do antigo seleccionador, ele foi onde outros nunca ousaram ir e nunca irão, pois são maus lideres e sofrem o mal de todos os portugueses: falta de tomates!

Até gostava de estar enganado, mas não vejo a selecção ir muito longe...