quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Enfermeiros: Jovens licenciados protestam

Foi noticia dia 18 de Novembro de 2008, mas não deixa de ser actual. Protestos deste grupo de saúde têm vindo a ser reconhecidos este ano pelos media, mas é uma pena que não tenham em conta que os protestos já vêm de há muito, não começaram só este ano. Mas os media agarram tudo o que possa influenciar o poder politico anti-governo.

Li as noticias e já tinha conhecimento sobre este facto, não me surpreendeu em nada, alias espero mais protestos futuramente. Ri-me com alguns comentários bastante hilariantes em alguns jornais online ou então fiquei até bastante surpreendido com algumas afirmações mais ingénuas.

Antes de mais é tempo de acabar com o mito: Saúde têm sempre saídas... - É FALSO, tal como qualquer outra área profissional têm limites para empregabilidade! A saúde é uma área de prestação de serviços que implica sérios gastos tanto a nível humano como de material, mas há que ter em conta que é das áreas onde mais é investido dinheiro a nível dos países europeus e menos proveito se tira, igualando a educação! É verdade, para as caras almas que não saibam, Portugal é dos países europeus que mais investe nestas duas áreas. Sem falar que um dos países com maior numero de especialidades médicas cobertas pelo Estado, ao contrário do que se passa aqui com a vizinha Espanha.

Mas afinal só há desemprego em Enfermagem? Não, dentro da saúde também há outros ramos, sendo o dos Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica profundamente mais afectado, onde trabalham até pessoas sem curso ou de cursos diferentes, é simplesmente achincalhado pelo Estado e a vasta maioria das pessoas nem sequer conhece este grupo ou confundem-nos com outras profissões. Voltando ao tema afinal quais as razões para o desemprego?

Antes de mais tenho lido muitas acusações anti-privado, mas eu gostaria de lembrar que é com concorrência que se melhora e dá mais saída no mercado de trabalhadores, já para não falar que é uma forma de esmagar lobbies. Vejam o caso da medicina, nunca têm médicos suficientes, mas também não deixam abrir no privado.

Contudo é verdade que abriram muitos cursos, não só no privado mas também no publico com enfermagem, temos demasiadas escolas a formar enfermeiros, até podem alegar que temos carência deles ou que a ONU alega que existe carência dos mesmos no mundo blablabla, existe certamente empregabilidade em Africa e no sudeste asiático, estão dispostos a ir, por salários ainda inferiores ou em regime de voluntáriado? I don't think so...

Nenhum país no mundo têm enfermeiros ou pessoal clínico em numero suficiente, convençam-se disso! Portanto quando não é possivel pagar a mais ninguém é por alguém está a mais, pois o dinheiro não estica! Logo é possivel que possam concluir que há demasiados formados com o mesmo curso. O mesmo ocorre na educação ou em direito, começem por aceitar isso ou façam como em tempos vi numa manifestação dos professores a pedirem aos portugueses para terem mais filhos.... LOL

Os enfermeiros se quiserem ter um mercado mais fluido vão ter que acabar com essa mania de pensar que o Estado têm a obrigação de dar emprego a toda a gente, só porque saem da faculdade com um curso. Vão ter que lutar para que congelem as vagas ou encerrem cursos, pois todos os anos sendo privado ou não, é preciso o aval do Estado para mais tarde se dar a publicação das vagas disponiveis por instituição! Só desta maneira é que terão direito à vossa lufada de ar fresco no mercado dentro de alguns anos.

Há ainda o caso das cunhas, o célebre problema cultural que se arrasta desde a fundação do País. É crime! Combatam isso, denunciem, quem não denuncia é porque não segue qualquer código deontologico e é mau profissional. "ah mas a vida está dificil, portanto é cada um por si" então para que tiram curso se é cada um por si?

Enfermeiros com 2 e 3 empregos a ocupar postos de trabalho e arrecadar fortunas, ordenados que pagariam a mais pessoal, mas isto vocês nunca protestam, estão no direito deles não é? E depois querem emprego...

Para quem ousar vir lançar o seu bitaite, eu reconheço o enfermeiro como um profissional qualificado (quando têm curso superior devidamente reconhecido pelo Estado e se encontra registado na Ordem), necessário para a manutenção dos niveis de saúde, apoio e cuidado dos mais necessitados e dos portugueses em geral. É uma profissão com razão óbvia de existir que passa por vários sacrificios pessoais, mas que infelizmente ainda não decidiram abrir o olhos.

Ir trabalhar para o estrangeiro, não é mau, é simplesmente normal e alias deveria ser tido como ÓPTIMO! Lá fora há especializações que por cá não há, não me venham com a velha máxima "os enfermeiros portugueses são dos melhores do mundo!" são pessoas como as outras, há bons e maus, e o conhecimento NUNCA é demais.
Agora que me digam: "ah mas se for lá para fora depois perco anos e não posso casar ou constituir familia quando me apetecer". Talvez sim ou talvez não, lá fora as outras pessoas também têm familias e descedentes, no entanto para quem acaba de se formar e não têm experiencia profissional, estar a pensar nisto, é talvez um erro grave e que vai acabar em frustração mais tarde ou mais cedo. Levando a possiveis ingenuidades como a do querer emprego à força toda e que a culpa é do Estado. É parcialmente do Estado e é também vossa nos vários motivos atrás apresentados.

É tempo de usarem mais a cabeça para reflectirem, não é fácil aceitar, especialmente para quem já tenham feito projectos de vida, mas a vida é mesmo isto, uma revolução de novas barreiras sobre as quais é preciso reflectir e readaptar esses projectos.

Sem comentários: