sábado, 22 de novembro de 2008

Prostituição vai ser crime na Noruega

A prostituição sempre foi legal neste país assim como nos restantes vizinho da Escandinávia, mas recentemente todos apertaram o cerco a esta efeméride. A idade aceite para inicio da actividade era normalmente os 16 ou 18 anos, mas o proxenetismo foi sempre proibido.
Os recentes estudos provam que a manutenção do regime aberto de prostituição, aumenta seriamente o trafico de seres humanos, principalmente mulheres e adolescentes, para fins sexuais. Dois terços dos seres humanos traficados em todo mundo têm esse fim.
Numa conferencia em Berna, sobre este assunto onde estiveram reunidos vários países europeus, da Escandinávia, França, Bélgica, Holanda entre outros.
A Holanda conhecida pelas suas leis bastante permissivas chegou à conclusão que nos locais que permite a prostituição existe um aumento do crime, bem como não conseguiu diminuir o trafico humano, pelo contrário ele aumentou. Nos últimos anos para contornar esta situação vários bordeis foram fechados e tencionam continuar a fazer-lo, ponderando a hipótese futura de voltar a ilegalizar esta prática.
O modelo americano foi salientado várias vezes, como forma a por cobro à prostituição, devido à sua taxa de sucesso. Eu considero que não é modelo a seguir, uma vez que pelos vários programas policiais que vi acerca deste caso, chegam armar ciladas para as prostitutas se oferecerem, uma vez que o façam são detidas, saem da prisão e voltam a cair no mesmo... Claro que se tratam de prostitutas de rua, dependentes maioritariamente de crack, mas a politica correcta seria tira-las da rua e oferecer-lhes o devido tratamento, em vez de as prender e fomentar novos vícios aprendidos na prisão.
Voltando ao caso da Noruega, esta vai seguir o modelo Sueco e a partir de 1 de Janeiro de 2009, qualquer tipo de prostituição será ilegal. A chegada de nigerianas com visto turístico para a prática de prostituição tornou-se corrente, várias mulheres eram e continuam a ser usadas e abusadas nestas práticas e alvo de violência por parte das máfias que facilmente se conseguem camuflar por entre as leis permissivas.

A serie belga "Matrioshki" retrata bem como funciona o mundo da prostituição e a forma como esta é organizada, com máfias a irem buscar mulheres de leste e à Tailândia, onde lhes prometem sobre um contrato escrito numa língua que elas não percebem (normalmente em grego) que irão trabalhar em clubes de dança, acabando todas a serem forçadas na Holanda e Bélgica, ao sexo, para poderem ter dinheiro suficiente para recuperarem os seus passaportes.


Sem comentários: